Minha lista de blogs

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

A História do Santuário de Nossa Senhora de Verdelais - Consoladora dos Aflitos (ano - 1099)

 


No sudeste de Bordeaux (França), encontra-se o santuário de Nossa Senhora de Verdelais, consoladora dos aflitos. Sua história tem quase mil anos.

Na sexta-feira, 15 de julho de 1099, às 3h da tarde, em memória da crucificação, os cruzados atacaram os muros de Jerusalém. Géraud de Grave, cavaleiro de Saint-Macaire, na Aquitânia, participava da batalha. Ele faz um juramento: se saísse ileso, construiria um oratório para Nossa Senhora.

Em Jerusalém, retomada pelos muçulmanos, Géraud encontrou um ícone da Virgem com o Menino Jesus. Levou, então, aquele ícone de volta ao Ocidente. Retornando à casa, retirou-se numa densa floresta, onde os cultos pagãos subsistiam. Naquele sítio construiu um oratório, instalou o ícone da Virgem Santa e lá permaneceu, retirado, como eremita. Este fato deu início a um lugar de vida religiosa e de devoção popular à Virgem Maria, que dura até hoje.

Por 900 anos, nada impediu o povo de Deus que reconstruísse o santuário que receberia o nome de “Maria Consoladora dos aflitos”. A estátua da Virgem, que substitui o ícone original, manteve-se escondida em duas ocasiões: na Guerra dos Cem Anos e nas guerras de Religião e foi milagrosamente encontrada; na primeira vez, por uma mula, e na segunda, por um boi.

Pois, lá, os fiéis não são enganados: em Verdelais, a Santíssima Virgem ouve o seu povo. Os ex-votos que cobrem as paredes da basílica são testemunhas. Enquanto alguns são muito antigos, outros foram colocados nos últimos anos.

Hoje, a comunidade dos fiéis ora pela salvaguarda do santuário e para que uma presença sacerdotal seja sempre mantida, no local. Confiantes naquela que nunca os abandonou, os cristãos de Verdelais rezam à sua protetora, com um fervor, cada vez mais vigoroso.

L’équipe de Marie de Nazareth.


quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Nossa Senhora das BOAS NOTÍCIAS !!!

 



No lugar onde atualmente se ergue a igreja de Santa Maria la Nova, no centro histórico de Palermo, na Sicília, foi construído um lugar de culto no ano de 1339 e uma pousada para acolher os peregrinos. Conta a lenda que um dos peregrinos, querendo fazer uma fogueira para se aquecer, encontrou um pedaço de madeira velha, suja, e que aparentava alguma vez ter sido utilizada para cobrir uma parede.

O homem tentou de várias formas quebrar a tábua de madeira em várias partes menores, usando um machado, mas não conseguiu. O pedaço parecia estar unido por algum tipo de liga invisível, já que não conseguia tirar dele nem sequer uma pequena lasca.

Impressionados tanto o homem do machado quanto os demais peregrinos, e pensando que algum segredo divino mantinha coesa a velha tábua de madeira, começaram a tentar limpá-la de toda a sujeira que tinha. Foram descobrindo aos poucos uma bela imagem de Nossa Senhora com o Menino Jesus no braço direito, sendo coroada por belos anjos.

Os peregrinos não perderam tempo e contaram ao Arcebispo o que tinha acontecido, e este ordenou aos clérigos que trouxessem a imagem em procissão até o seu palácio. O próprio Arcebispo continuou com a limpeza da tábua, ficando cada vez mais nítidos os detalhes da imagem. A imagem foi colocada no altar do palácio do Arcebispo e foi venerada com grande afeição. Em breve começaram a acontecer os primeiros milagres; uma confraria foi fundada, e uma igreja erigida em honra da Rainha dos Céus.

Tempos depois, em pleno século XVI, o vice-rei de Sicília, Heitor Pignatelli, que se dirigia à igreja de Nossa Senhora para rezar, foi detido no caminho por um mensageiro. Perguntado se trazia boas notícias, o mensageiro respondeu que as melhores. Descendo do seu cavalo, Pignatelli recebeu as cartas e as leu dentro da igreja.

Tanto Pignatelli como toda a sua corte passavam por momentos de grande ansiedade, pelo iminente ataque dos Sarracenos, que tinham mobilizado as suas forças militares contra a armada cristã. As notícias que traziam as cartas eram a da decisão dos inimigos de negociar a paz e de retirar-se.

 

Pignatelli deu graças a Nossa Senhora pelas boas notícias e declarou que desde esse momento, Ela seria conhecida e venerada nesse lugar com o nome de “Nossa Senhora das Boas Notícias”, devido às boas notícias que no templo dedicado a Ela tinham sido recebidas.

A festa de Nossa Senhora das Boas Notícias é celebrada no dia 16 de setembro.

Fontes pesquisadas:

https://www.roman-catholic-saints.com/our-lady-of-good-news.html

https://it.wikipedia.org/wiki/Chiesa_di_Santa_Maria_la_Nova_(Palermo)

https://it.wikipedia.org/wiki/Ettore_I_Pignatelli

Oração

ORAÇÃO: a Nossa Senhora das Boas Notícias Nós Te louvamos Mãe de Deus, porque recebestes do Anjo a Boa Notícia, e a acolheste virginalmente em Teu coração, respondendo com um Sim total à iniciativa divina. Intercede por nós, e mostra-nos Teu Filho Amado, como o fizeste na Epifania, aos Reis Magos, para que nós também, como bons discípulos, possamos levar a Boa Notícia da salvação à humanidade. Amém.

terça-feira, 14 de setembro de 2021

Jamais rezamos a Maria em vão !!!

 


Em 1749, um criminoso do reino de Valença, na Espanha, tentando escapar das mãos da justiça, quis tornar-se maometano e estava a ponto de embarcar num navio, para fugir. O acaso o fez passar diante de uma igreja de Valença, onde o padre jesuíta Jerônimo López pregava a misericórdia da Mãe de Deus.

Tocado pelo sermão, foi confessar-se com o pregador. Este lhe perguntou se ele merecera, por alguma devoção particular, que o bom Deus tivesse se mostrado tão misericordioso para com ele.

O interrogado disse que a única devoção que ele praticava era a de rezar, todos os dias, a Nossa Senhora, pedindo à Santa Virgem que não o abandonasse...

Em “Glórias de Maria, capítulo VII, exemplo, p. 180”, por Santo Afonso de Ligório, Doutor da Igreja (1696-1787).

domingo, 12 de setembro de 2021

Invoquemos o SS. Nome de MARIA diante dos graves perigos !!!

 




No dia seguinte, 12 de setembro, Sobieski entrou na cidade em júbilo, e foi assistir à missa e ao Te Deum, na igreja da Virgem de Loretto, a quem ele conferia a vitória.

O Papa Inocêncio XI, também atribuía aquela vitória à intercessão da Virgem Santíssima. Foi a partir do ex-voto que ele instituiu, então, a festa em honra do Santo Nome de Maria.

No dia 25 de novembro de 1683, a festa se estendeu por toda a Igreja e a natividade de Maria foi fixada para o domingo seguinte. Já o Papa Pio X preferiu fixar a data para 12 de setembro, dia do aniversário ─ não da vitória ─, mas de sua celebração. Restabelecer a festa era, pois, para São João Paulo II, lembrar aos católicos a invocação a Maria, diante dos graves perigos internacionais, igualmente.

Roma, 11 de setembro de 2015 (ZENIT.org, em Francês)

sábado, 11 de setembro de 2021

A imagem da Virgem em todas as bandeiras!!!

 

Mais de um século após a derrota de Lepanto (1571), em 1683, os turcos tentaram dirigir-se à Europa ocidental, por via terrestre. O grão-vizir contava com a força de 150 mil ou 300 mil homens e asseverava que iria tomar Belgrado (Sérvia), Buda (hoje, Hungria), Viena (Áustria) e chegar à Itália, descendo a Roma “até o altar de São Pedro”.

Em agosto de 1683, um capuchinho italiano, grande místico, Marco d´Aviano ─ beatificado por João Paulo II ─ fora nomeado grande capelão de todos os exércitos da Europa. Ele soube incentivar Viena, dando-lhe coragem e ânimo e conseguiu convencer o rei da Polônia, Jan Solbieski, a socorrer a capital, no momento em que ele possuía, apenas, 40.000 homens.

A capital estava sitiada desde 14 de julho, daquele ano, e sua rendição aconteceria em poucas horas. O rendimento das forças não estava a favor das tropas europeias. Entretanto, Viena se confiava à intercessão da Virgem Maria e a imagem dela estava em todas as bandeiras.

No dia 11 de setembro de 1683, sobre o Kahlenberg que domina a cidade, Padre Marco, capuchinho, celebrava a missa, servida pelo rei polonês, diante do exército e predisse uma vitória indizível.

As tropas conduzidas por João III Sobieski e pelo Duque Charles de Lorraine atacaram os otomanos na madrugada do dia 11 de setembro. Mulheres e crianças rezavam nas igrejas, implorando a ajuda da Virgem Maria. E eis que, à noite, daquele 11 de setembro, a bandeira do grão-vizir caiu nas mãos de Sobieski: e o perigo da tomada de Roma caiu por terra.

Roma, 11 de setembro de 2015 (ZENIT.org, em Francês)


quinta-feira, 9 de setembro de 2021

A marca do joelho da Virgem Maria, sempre visível !!!

 


Por volta do ano 450, são Severo, originário da Síria, e seus companheiros, viviam retirados num eremitério, não distante de Agde, no Héraut (costa sul da França). Um dia, uma tempestade de força espantosa atingiu as costas. Os monges rezavam e um deles viu a Virgem Maria, ajoelhada sobre um rochedo. Naquele momento, a tempestade se acalmou.

Uma capela foi construída sobre o local onde a Virgem Maria havia ajoelhado, exatamente na rocha em que as marcas de seus joelhos ficaram gravadas. A partir de então, Nossa Senhora Genuflexa ou Ajoelhada, em Grau, ou Nossa Senhora do Grau, tornou-se importante lugar de peregrinação, sobretudo, porque fica num dos caminhos de Santiago de Compostela. A marca dos joelhos da Virgem Maria mantém-se visível, na capela da Ajoelhada, no centro da Nave.

Foram os padres capuchinhos que, logo depois, ergueram quinze capelas sobre o caminho que vai de Agde até Nossa Senhora do Grau, e cada uma representando um Mistério da Paixão de Cristo. O sucesso das peregrinações foi imenso, desde então.

A revolução Francesa destruiu todas as capelas e as peregrinações para Nossa Senhora da Ajoelhada só puderem recomeçar no século XIX, sob o impulso dos Penitentes brancos.

Nossa Senhora da Ajoelhada é comemorada, sempre, no dia 2 de agosto.

Ver a vida de Jesus através dos olhos de Maria !!!

 


Tomás Morales Pérez era um sacerdote jesuíta, cuja causa de canonização foi lançada em 8 de novembro de 2017, quando o Papa Francisco aprovou um decreto reconhecendo suas virtudes heroicas.

Padre Morales nasceu na Venezuela, em 1908, e faleceu na Espanha em 1994. Promoveu o desempenho dos laicos na Igreja e fundou o instituto secular, Cruzados e Cruzadas de Santa Maria. Ele mantinha uma devoção especial pela Virgem Maria e explicava que “o Rosário não é uma devoção particular à Virgem, mas ao Cristo, que centraliza de forma perfeita a vida dos batizados”.

Mas, Padre Morales não minimiza o papel da Virgem Santíssima. Se o Rosário é a Igreja reunida com Maria, ele também é a Igreja que vê a vida de Jesus através dos olhos de Maria, “a maneira mais atrativa e eficaz, através de tudo o que a Virgem Maria vivenciou”.

“Sempre que rezava o terço por um pecador” ─ conta Padre Morales, se referindo ao Papa Pio VII ─, ele obtinha uma conversão”. E cita o conselho de Filipe II a seu filho, quando este se tornou rei da Espanha: “Se você quer a prosperidade em sua vida, não deixe de lado a recitação do Rosário.” Ele lembra como São Domingos converteu os albigenses com a ajuda do Rosário e como os cristãos o levaram à batalha de Lepanto, contra o Islam. “O Rosário não nos deixa surdos ao chamado de Cristo, mas prontos e diligentes para cumprir a sua vontade”, disse. “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça” (Mateus 11, 15).

John M. Grondelski em Falls Church, em Virginie (Estados Unidos).

“Mas ela cuida de você!”

 


Por mais de quarenta anos, o demônio atormentou o Cura d´Ars (São João Maria Vianney, santo padroeiro universal dos sacerdotes), a ponto de sacudi-lo terrivelmente na cama, ateando fogo em seu corpo.

Você me tomou oitenta mil almas, gritou, um dia, ao santo sacerdote, através dos lábios de uma mulher possuída. Vianney, Vianney ─ gritou ele, outra vez ─, eu vou pegar você, eu vou pegar, sim, eu já peguei um mais forte do que você...

E, eis que, subitamente, num transporte de fúria, Satanás, o “arpão”, como o chamava o santo cura d´Ars, deixou escapar a seguinte confissão:

Ah! Se ela não estivesse cuidando de você... (aqui, uma horrenda blasfêmia para designar a Santíssima Virgem), se ela não estivesse cuidando de você, eu conseguiria pegá-lo, mas... ela cuida de você!

Segundo Le chapelet des enfants (O terço das crianças).

A Virgem Maria se dirige à filha do sultão !!!



No início do século XII, três cavaleiros cristãos da ordem de São João de Jerusalém, deixaram a França para a cruzada. Tornando-se prisioneiros, foram transferidos para o Cairo, onde o sultão os aguardava, para convertê-los ao Islã. Como eles recusaram a conversão, o homem enviou sua filha, Isméria para convencê-los.

Porém, ao encontrar os prisioneiros, a jovem muçulmana, tocada pela fé deles, pediu para ver uma imagem da Virgem. Anjos levaram-lhe uma estátua de madeira negra, representando a mãe de Jesus. Na noite seguinte, Isméria, maravilhada, libertou os cavaleiros e partiu com eles para converter-se à fé cristã, decisão que lhe foi sussurrada ao ouvido, durante a noite, pela Santíssima Virgem, segundo a tradição.

Por um milagre, os cavaleiros se encontraram longe do Egito, em Liesse, cidade no norte da França, onde um dos cavaleiros era o próprio Senhor. Este foi o ponto de partida para a construção da atual basílica de Notre-Dame-de-Liesse, um lugar que a Virgem havia designado a Isméria, enquanto dormia!

Apesar da ausência da Virgem negra original, muitos peregrinos vêm, sempre, orar em frente à réplica da estátua de Nossa Senhora de Liesse, principalmente para pedidos de “libertação” ou desejos mais concretos, como a chegada, o nascimento de uma criança. Esses pedidos são explicados por uma longa lista de milagres que a Virgem Negra realizou, através dos séculos.

Por Le Jour du Seigneur e também por Liesse (02, Aisne), Notre-Dame de Liesse.

“Hoje, a Rainha do mundo me tirou do Purgatório” !!!

 


Em Roma, no dia da Assunção, uma mulher entrou na basílica erguida no Capitólio, em honra da Bem-Aventurada Virgem Maria. Qual não foi a sua surpresa ao se confrontar com uma vizinha sua, que havia falecido havia um ano!

Marosie perguntou: ─ Você não é a Marozina, a minha vizinha que morreu, já há algum tempo?

─ Sim, sou eu.

─ E como é que você está aqui, agora?

A mulher confessou-lhe que havia sofrido muito no purgatório, por alguns erros na infância.

─ Hoje ─ continuou ─, a Rainha do mundo rezou por nós e me tirou do Purgatório, com muitas outras almas e, tão grande é a multidão de almas salvas por ela, que supera, em número, os habitantes de Roma. É por isso que visitamos, em ação de graças, os lugares dedicados a nossa gloriosa Senhora, a Virgem Maria.

E, como prova da realidade de sua aparição, a feliz mulher, liberada do Purgatório, disse à amiga que, um ano depois daquele dia, ela mesma iria morrer, o que aconteceu de acordo com a previsão.

Segundo Le chapelet des enfants (O terço das crianças).