Minha lista de blogs

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

A Terrível Justiça Divina !!!!!!!


Por Missa Tridentina em Brasília

Na cidade de Magdeburgo, que é metropolitana no ducado de Saxônia, cursava as escolas um estudante por nome Udo, de tão curta capacidade para as letras, a que suposto aplicava da sua parte o trabalho e diligência, não tirava daqui mais fruto que mofa e zombaria dos condiscípulos, enfado dos mestres e aflição do próprio espírito. Um dia que estas o apertou mais, entrou na Sé daquela cidade, que é dedicada a Deus em honra do ínclito capitão S. Maurício Mártir e de toda a sua Legião Tebeia; e, ali prostrado em oração fervente, rogou à Virgem Santíssima Nossa Senhora, e ao mesmo S. Maurício, lhe alcançassem de Deus luz no entendimento para os estudos. Adormeceu, e ali em sonhos lhe apareceu a mesma Senhora e lhe disse: Ouvi tua oração, e não só te concede meu Bendito Filho o talento das letras, senão que por elas subirás a ser bispo desta igreja, por morte do que agora governa. Se acudires fielmente às obrigações deste ofício, será grande o teu prêmio; porém; se fores negligente será grande o teu castigo.
Desapareceu a visão; acordou Udo, e, desde aquela hora, não teve dificuldade em coisa alguma que estudasse. Foi o seguinte dia às escolas, e começou a dar tão boa conta de si, que seus condiscípulos, admirados, diziam: Não é este Udo, de quem há pouco nos riamos? Como tão brevemente se fez tão excelente filósofo? Na mesma admiração estava o mestre, ponderando a capacidade rara com que compreendia as matérias, a agudeza rara com que penetrava as dificuldades, a destreza e facilidade com que as soltava, e a retentiva com que tudo o que lia e ouvia lhe ficava como gravada na memória. Finalmente, ganhou nome tão famoso em poucos anos, que vagando aquele Arcebispado, foi eleito nele por comum aplauso do povo.
Colocado, pois, na cadeira arcebispal, procedeu louvávelmente aos princípios. Porém, como ofícios grandes costumam mudar os procedimentos da pessoa que não está fundada em sólidas virtudes, foi pouco a pouco esquecendo-se de suas obrigações, e entregando-se a vícios, de tal sorte que mais parecia lobo que entrava no aprisco a degolar o rebanho de Cristo, do que pastor para o apascentar e defender. Deu-se particularmente ao vício da sensualidade, tão sem freio do temor de Deus e do escândalo do povo, que não havia mulher casada, nem donzela, segura de sua insaciável torpeza. E como era rico e poderoso, e com muitos dependentes da sua mão, ninguém se atrevia a impedi-lo nem a repreendê-lo. Fez com isto mais profundo o seu pecado, e desmandou-se a solicitar religiosas; e tirou de um mosteiro a abadessa, com a qual publicamente vivia amancebado. Quem esperara tal desatino de um homem letrado, tal desenvoltura de um prelado eclesiástico, tal ingratidão de um sujeito tão obrigado à Virgem? Porém, o vício da carne cega muito a luz do espírito: também Salomão era sábio; também como rei devia dar bom exemplo; também, como devedor do benefício da sabedoria, devia honrar e servir a Deus, que lha concedera.
Quis o Senhor piedosíssimo justificar mais a sua causa, primeiro que descarregasse o golpe: e assim lhe faz três como admoestações canônicas. Estando Udo uma noite com aquela concubina à ilharga, ouviu uma voz que dizia: Cessa de ludo, quia lusisti satis Udo: Cessa já de jogar, Udo, porque tens jogado muito. Fez o miserável pouco caso disto, e ficou jazendo no seu pecado. Na seguinte noite teve na mesma forma o mesmo aviso, e também o desprezou; porque o Demônio, que estava mui acastelado na sua alma com posse pacífica, logo lhe divertia o pensamento, e com fazer-lhe repetir o pecado, se iam embastecendo mais as suas trevas interiores. Na terceira noite ouviu a mesma voz, muito mais terrível e espantosa. Começou a temer e ansiar-se; porém, brevemente se tornou a quietar na falsa paz de sua cauterizada consciência. Converteu, pois, Deus a sua justiça em juízo, e dirigiu este na forma seguinte.
Um cônego daquela Sé, varão de muita oração e virtudes (que sem aquela, mal poderia ter estas), ficou na igreja uma noite depois de matinas, encomendando a Deus Nosso Senhor este negócio: e lhe pediu com vivas lágrimas e gemidos, que, ou sua Majestade abrandasse o empedernido coração de Udo, ou, quando ele não se quisesse converter, lhe tirasse a vida, e o castigasse, para cessarem os escândalos, que cada dia eram maiores. Neste tempo, entrou na igreja um grande-pé-de-vento, apagou todas as lâmpadas. Temeu o cônego, e se lhe arrepiaram os cabelos; mas voltando-se para Deus e pedindo-lhe ânimo, se recobrou, e viu este admirável espetáculo.
Entraram na Igreja emparelhados dois mancebos de extremada galhardia, com tochas acesas nas mãos, de claridade superior à que costuma na Terra; e fazendo profunda reverência ao altar-mor, se puseram em pé, um a um lado e outro a outro. Entraram logo outros quatro: dois deles com alcatifas preciosíssimas, que estenderam no pavimento da capela, e dois com cadeiras de ouro, que colocaram em cima, uma a par da outra. Vieram depois doze veneráveis personagens, de tão respeitoso aspecto, que cada qual parecia imperador do mundo: porém, no meio deles parecia outro Senhor incomparavelmente mais majestoso, com coroa de ouro na cabeça e cetro na mão: era Cristo Salvador Nosso, e aqueles seus Sagrados Apóstolos; os quais, dividindo-se a uma e outra parte, lhe fizeram uma reverência, e o Senhor se sentou numa das cadeiras. Entrou logo a Rainha do Céu, Maria Santíssima Senhora nossa, com numerosa comunidade de Virgens e Mártires; e feita reverência ao Senhor, tomou a outra cadeira.
O cônego, lá desde o seu cantinho, estava embebido em admirações, mas desperto, esperando que ação se representaria digna de tão aparatoso teatro. Quando vê que entra S. Maurício, patrão daquele templo, com toda a triunfante legião dos Mártires seus companheiros (que dizem foram 6 666), todos coroados de luz e ornados de decoro e majestade; e feita adoração ao Rei e outra à Rainha das Alturas, se dispuseram por todo aquele âmbito em bem ordenadas fileiras. Eis que entra outro formosíssimo mancebo de galharda estatura, armado de ponto em branco, com espada nua e reluzente na mão, como pintam a Justiça; e depois de feita a semelhante adoração com os joelhos em terra, se pôs no meio, e levantando a voz, lançou este pregão: Todos os Santos, cujas relíquias aqui se conservam, levantai-vos e vinde a este juízo. Imediatamente apareceu ali uma grande multidão de Santos, Mártires, Virgens, confessores e doutores, que, postos também por sua ordem, enobreceram mais aquele ilustríssimo conclave.
Saiu então o capitão S. Maurício, dando-se por autor naquela causa; e proclamou, dizendo: Retíssimo Juiz, tempo é de que vossa soberana Majestade faça justiça. Mandou então o Senhor que lhe trouxessem ali a Udo; voaram logo uns Anjos, e tirando-o da ilharga da concubina, com quem estava abraçado, o puseram na presença de Cristo, no meio de todo aquele concurso, com tal confusão do miserável, que não é possível explicar-se. S. Maurício começou a pôr-lhe os cargos, dizendo: Este, Soberano Senhor, é aquele Udo, a quem vossa Mãe Santíssima, que presente está, fez tão particulares benefícios: a quem por sua intercessão, deste o talento da sabedoria; a quem encomendastes o cuidado desta igreja, e ele, em vez de apascentar as vossas ovelhas, as tem apestado com o contágio de seus vícios, gastando nele o patrimônio da mesma igreja. Este é o que teve atrevimento de violar as vossas esposas consagradas e de persistir na sua maldade contra o seu próprio voto, contra o seu ofício, contra as leis humanas e Divinas, contra os remorsos de sua consciência, e contra um e outro avisos do Céu, que lhe enviou vossa paciência e piedade.
Ouvia o Supremo Juiz os graves artigos daquele processo; e voltando o rosto para aqueles Santos que lhe assistiam, disse: Como vos parece que nos portemos com este homem? Aqui levantando a voz o mancebo da espada nua, disse, em nome de todos aqueles assessores que: Digno é de morte. E o Senhor pronunciou a sentença nesta forma: Execute-se: e, pois, não soube ser cabeça da igreja que lhe encomendaram, cortem-lhe a cabeça. No mesmo ponto chegou o mancebo e mandou a Udo que inclinasse a cabeça para o degolar. Levanta a espada, vai para descarregar o golpe, quando um dos outros Anjos acode, dizendo: detém-te, que esse mau homem celebrou ontem e comungou em pecado mortal, e por vontade de Deus se conservam ainda em seu corpo as espécies sacramentais: e é necessário tirarmos com decência a hóstia consagrada. Neste ponto levantou-se da cadeira a Virgem Santíssima Senhora nossa e, acompanhada de Anjos e Santos, chegou com um cálice de ouro na mão, no qual outro Anjo, dando nas costas de Udo uma pancada, lhe fez lançar a sagrada Forma. E a Senhora a purificou com sua mão e colocou o cálice sobre a pedra de ara, com toda a decência e acompanhamento de Anjos e Santos. Isto feito, o valoroso mancebo descarregou o golpe, e destroncou aquele miserável corpo, saltando a cabeça para a outra parte e ficando as lajes manchadas com seu torpe sangue. Executada a sentença desapareceu toda aquela nobre companhia, deixando o tempo às escuras, como antes estava.
Atônito, aquele virtuoso sacerdote com a representação de caso tão estupendo, não sabia que fizesse, nem em que se determinasse; e dizia entre si: Que é isto que vi? Sonho meu ou ilusão do Demônio, ou revelação de Deus? Sonho não parece, que sempre estive desperto e fiz disso mesmo atos reflexos; mas quero certificar-me se está aqui o corpo do desventurado arcebispo. Animou-se, pois, e foi buscar luz (porventura a sua casa, ou a alguma capela mais retirada no claustro, onde houvesse lâmpada); acendeu as da igreja, chegou ao lugar onde vira o suplício, e, com efeito, viu o corpo destroncado e a cabeça lançada à outra parte, e as pedras banhadas no sangue fresco: subiu ao altar e viu nele o cálice de ouro com a Forma consagrada dentro. Não foi logo sonho (disse então novamente admirado), mas demonstração pública da divina justiça, pois, a ofensa também era pública. E cerradas as portas da igreja, foi, antes que amanhecesse, a notificar aos capitulares e outras pessoas principais do povo tudo o sucedido. Divulgou-se o caso: abriram-se as portas da igreja, entrou inumerável gente, e todos foram testemunhas daquele tão raro, como formidável espetáculo; e louvaram os juízos de Deus, que sendo umas vezes ocultos e outras manifestos, sempre são retos e justificados por si mesmos.
Até aqui, revelara Deus Nosso Senhor a condenação de Udo quanto à morte temporal; segue-se outro caso, em que revelou a outro sacerdote a sua condenação quanto à morte eterna. Era este um capelão do mesmo arcebispo, e corretor de sua torpeza, e ele o havia mandado fora da cidade a negócios de importância; e se vinha neste mesmo tempo recolhendo, mandadas já adiante as cargas. Vindo, pois, caminhando por um descampado, o carregou um sono tão pesado, que não podendo resistir-lhe desmontou; e atando as rédeas do cavalo ao braço, se lançou a dormir ao pé de uma árvore. Apenas adormecido, viu em sonhos uma numerosa tropa de demônios fazendo grande ruído, armados todos de diversas armas, com lanças, piques e alabardas nas mãos, e que faziam alto naquele campo. Vinha entre eles um, que no agigantado da estatura, no disforme do aspecto e no soberbo das ações mostrava ser o Príncipe das Trevas. Levantaram-lhe logo ali um tribunal, em que tomou assento, e todos lhe fizeram reverência. Assomou neste tempo por outra parte outra caterva de Demônios, que vinham dando descompostas risadas e fazendo grande algazarra, como que traziam alguma rica presa, ou despojo, com que se mostravam contentes. Era este a miserável alma de Udo em figura corporal, para que pudesse ser vista por semelhantes espécies. Vinha amarrada com cadeias de fogo e sobre todo encarecimento feia, triste e desconsolada; e quando já chegava perto do Príncipe Demonarca, alguns daqueles infernais ministros correram adiante, mais ligeiros que abutres, a dar-lhe a nova, e diziam: Praça, graça, que vem uma pessoa principal; façam lugar, que vem um sujeito mui benemérito do nosso reino.
Chegando o miserável Udo, pôs nele Lúcifer os afogueados olhos, e lhe disse mofando: Seja Vossa Senhoria mui bem-vindo, que tem sido a sua vinda mui suspirada em meu palácio e corte, e desejamos todos pagar-lhe tantos e tão sinalados serviços, com que tem aumentado a nossa coroa. Olá, vassalos meus, é razão que regalemos o novo hospede; dai-lhe alguma coisa que coma. Chegaram logo uns demônios com pratos negros e asquerosos cheios de sapos, e víboras, e serpentes vivas; e abrindo-lhe por força a boca, o constrangeram a comer. Entraram outros com grandes vasos de fel de dragões e enxofre derretido, e o obrigaram a beber, esgotando até as fezes. Disse então Lúcifer: Agora que Sua Senhoria comeu e bebeu, é bem que goze também da suavidade dos nossos banhos. Dito e feito: afastou um Demônio uma grande laje, que servia de tampa a um poço que estava ali perto, do qual rebentaram tantas e tão impetuosas e vorazes labaredas, que pareciam querer escalar o Céu; e desafogando-se por aquele campo, tornaram em cinzas não só as árvores, mas as mesmas pedras, e até uma fonte que por ali corria, a deixaram seca sem gota. Agarraram logo outros daquele desventurado e o emborcaram pelo poço dentro: onde, havendo estado largo espaço, o tiraram da cor de um ferro que esteve na frágua feito brasa viva, e o tornaram à presença de Lúcifer, o qual, escarnecendo, lhe disse: Que lhe parece a Vossa Senhoria dos nossos banhos? Não são suaves e regalados? Pois isto não é mais que uma prova ou ensaio, da grande paga que temos prevenida para os sinalados serviços e merecimentos de Vossa Senhoria.
A tudo isto tinha estado em silêncio o desventurado Udo; e vendo-se já condenado a uma duração interminável de tormentos, e, que de seus olhos se ausentara para nunca mais tornar a esperança de remédio, levantou a temerosa voz e com prolixos e altíssimos gemidos, dizia: Ai de mim! Ai de mim, desgraçado! Oh que caros me custaram meus deleites! Oh que breves foram e momentâneos, sendo a pena deles eterna! Maldito seja o dia em que fui gerado; maldita a hora em que nasci no mundo; malditos os pais que me deram o ser; malditos todos os que me ajudaram a pecar; maldito (aqui começou a blasfemar de Deus, e da Virgem, e de todos os Santos). E os demônios, ouvindo-o, desfecharam em risadas e diziam: Oh que bem sabe já o nosso ofício! Oh que lindamente canta! Necessário é que fique em nossa casa e cante no nosso coro. Pois levai-o logo (disse Lúcifer) e dai-lhe um dos primeiros lugares. Então remeteram a ele como cães danados, e pegando-lhe com unhas e dentes, se sumira pela boca do poço, com tão ruidoso estrondo, que parecia virem-se abaixo as bóvedas do firmamento, e que os montes se arrancavam de seus assentos.
Ficou, todavia, o Demonarca com outros espíritos malignos que lhe faziam corte; o qual, pondo os espantosos e terríveis olhos, que pareciam carvões acesos, no clérigo que estava dormindo: Aquele (disse) que ali está dormindo não é o capelão de Udo e seu alcoviteiro? Razão é que o acompanhe nas penas, pois, lhe ministrou nas culpas; trazei-o aqui logo. Correram a ele os demônios, para o agarrar. E neste passo o clérigo, com a força do susto, acordou daquele formidável sonho. E como se levantou estrebuchando e espavorido, espantou-se o cavalo, que estava atado ao seu braço, e correu furiosamente pelo campo arrastando-o por largo espaço, até que lhe quebrou a cana dele. Porém, como Deus queria dar-lhe lugar da penitência, e que fosse testemunha do que vira, parou enfim o bruto, e se amansou de sorte que o clérigo pôde outra vez montar, ainda que com grande dor e trabalho. Chegando à cidade, viu que em nenhuma outra coisa se falava mais que na infeliz e repentina morte de seu amo; e conferindo o que tinha passado no castigo do corpo, com o que vira no da alma, ficou a verdade de uma e outra visão mais contestada.
Porém, como as obras de Deus em qualquer gênero são perfeitas, faltava ainda alguma demonstração da ira Divina acerca daquele miserável cadáver, que na igreja ficara degolado. Esta foi que não quiseram os da cidade dar-lhe sepultura em sagrado. Lançaram-no na lagoa: porém, logo saíram dos bosques, brenhas e covas, diversas feras, que ali tinham seus esconderijos; e entrando na lagoa, tiraram fora o corpo e o levaram arrastando pelos campos, sem nenhuma lhe dar dentada, como que abominavam coisa tão maldita. E os pastores e rústicos, que com isto padeciam não pequeno assombro e dano, se viram obrigados a queimar aquele corpo. Lançaram as cinzas dele no rio Alba; e no mesmo ponto (coisa maravilhosa!) todos os peixes dele fugiram para o mar, e não apareceu ali pesca alguma pelos dez anos seguintes; até que os naturais aplacaram a ira de Deus com procissões, penitências e ladainhas, e então, começaram os peixes a tornar para o rio.
Dura a memória deste espantoso caso naquela província até o presente dia; e ainda que os Saxônios o quisessem negar, as mesmas pedras o publicaram: porque numa da dita igreja se mostra claramente o sangue daquele justiçado, cuja nódoa não pode apagar-se por estar incorporada com a mesma pedra, que parece a embebeu em si. Está coberta com um tapete; e quando há nova promoção de arcebispo, a descobrem e lhe mostram, dizendo: Que veja bem como castiga Deus a quem não administra como deve aquela dignidade, que lhe encomenda.
Até aqui a relação do caso. No qual se ofereciam muitas coisas dignas de ponderação: o perigo das letras, quando se não acompanham das virtudes; o fácil abuso das riquezas e dignidades, para a depravação dos costumes; a graveza do escândalo, quando o causam pessoas grandes, particularmente eclesiásticas; a dureza do coração humano resistindo às vozes Divinas, e despenhando-se de um pecado em outro mais profundo; a eficácia da oração dos justos, em ordem ao bem público e à honra divina; o desamparo de uma alma, tanto que a Virgem Nossa Senhora fica em silêncio e não advoga por ela; o execrando sacrilégio dos que comungam em pecado mortal, e o respeito que se deve ao Augustíssimo Sacramento do Altar; a justificação exatíssima e vasta profundeza dos divinos juízos; a honra e fama dos pecadores, trocada subitamente em infâmia e ignomínia; a ingratidão, como é caráter próprio de almas réprobas; o ofender a Deus por servir aos ímpios, como é arriscado a fazer-lhes companhia na pena eterna; as criaturas todas como perseguiriam ao pecador, se Deus lhes desse licença; e outros muitos doutrinais avisos, que desta história se provam manifestamente. Porém, como o nosso intento nesta obra não tem esfera tão ampla, só pretendo agora que tiremos com tempo o desengano que aquela alma ponderou já tarde. Oh deleites da carne (dizia ela, abrindo na pena os olhos que fecharam na culpa), como custais caro! Que brevemente passastes, e como vosso tormento não passará eternamente! Consideremos atentamente, como não indo entre o pecador e o Inferno mais que o fio da sua vida, que pode quebrar em qualquer instante, não pode haver loucura mais desatinada do que deixar-se o pecador viver no estado em que não quisera morrer, e por um gosto torpe e momentâneo vender a salvação eterna da sua alma.
E, finalmente, tornando à conclusão do presente capítulo, digo que são tantas no mundo as desgraças, ruínas, sedições, crueldades e sucessos trágicos que este só vício da carne tem causado, que apenas há pessoa, das que têm anos de discrição e experiência, que não possa referir vários exemplos. Nestes, pois, deve carregar com a consideração quem deseja tirar escarmento, e pedir a Deus lhe conceda seu santo temor, para conter-se nos limites que sinala sua lei.
Extraído da obra “Armas da Castidade” do Padre Manoel Bernardes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário